Rádio Lucweb: Grupo protesta na porta da Usiminas contra demissões em Cubatão, SP

Pedido musical

Pedir Música

11 de nov de 2015

Grupo protesta na porta da Usiminas contra demissões em Cubatão, SP

Sindicalistas e trabalhadores se reúnem em frente à empresa nesta manhã.
Intenção é pressionar companhia para rever decisão de encerrar atividades.

Guilherme Lucio da RochaDo G1 Santos



Polícia precisou usar bomba de gás lacrimogêneo para conter manifestantes (Foto: Reprodução / TV Tribuna)

Manifestantes realizam um ato contra a paralisação na produção de aço e a possível demissão de pelo menos 4 mil funcionários diretos da siderúrgica Usiminas em Cubatão (SP) desde as primeiras horas da manhã desta quarta-feira (11). Ainda não há reflexos no trânsito da região.

Por volta das 6h50, manifestantes tentaram impedir a entrada de dezenas de ônibus que levam trabalhadores para empresa. A PM precisou atirar bombas de gás lacrimogêneo e dar tiros de borracha para conter o grupo. Um manifestante foi detido por policiais militares.
Trabalhadores protestam contra demissões na
Usiminas (Foto: Guilherme Lucio / G1)

A prefeitura decretou ponto facultativo, a partir das 11h, para incentivar os moradores a participarem das manifestações, já que a empresa é uma das maiores instaladas na área industrial da cidade e reune trabalhadores de toda a Baixada Santista.

Representantes do Sindicato da Construção Civil, Central Única dos Trabalhadores (CUT), e outros movimentos sindicais estão reunidos na porta da siderúrgica. A intenção dos manifestantes é impedir que colegas iniciem o trabalho. Eles planejam reunir todo o turno e caminhar até o Paço Municipal.

Por volta das 6h, representantes do movimento Intersindical e da Polícia Militar inciaram uma negociação para estabelecer a área onde os manifestantes poderiam ficar.

A PM apresentou uma decisão judicial que delimitava que o grupo ficasse a uma "distância segura" dos portões de entrada da empresa. No entanto, não a área ainda não foi demarcada.

"Essa decisão chegou nas nossas mãos às 19h desta terça-feira (10) e informava que deveríamos garantir que os portões estejam livres e que os manifestantes fiquem a uma distância prudente. Essa distância não foi pré determinada, então nós iremos fazer essa avaliação no local. Caso haja necessidade, utilizaremos a força", afirmou o capitão da Polícia Militar, Daniel de Oliveira Maiche.
Ônibus que levam trabalhadores à companhia chegam à porta da Usiminas (Foto: Roberto Strauss / G1)
Marcia Rosa falou sobre o possível fechamento
da Usiminas (Foto: Orion Pires/G1)

Incentivo
Durante a semana, a administração municipal colocou cartazes pela cidade alertando sobre as manifestações. Sindicatos e movimentos sociais também distribuíram jornais e panfletos pela cidade.

Segundo números da prefeitura de Cubatão, cerca de oito mil trabalhadores podem perder seus empregos, entre funcionários da Usiminas e de empresas que prestam serviços para siderúrgica.

A Polícia Militar também afirmou que irá reforçar o policiamento em Cubatão por conta das manifestações. O número de agentes que serão direcionados ao município não foi divulgado por motivos de segurança.

Esquema no trânsito
Por conta de possíveis reflexos no trânsito, a prefeitura de Santos também convovou agentes da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) para reforçar a orientação aos motoristas nas avenidas Nossa Senhora de Fátima, Martins Fontes e para região da Alemoa, que poderão ser afetadas pelas manifestações.

Usiminas
Em nota, a Usiminas diz que respeita o direito dos cidadãos de expressarem livremente suas opiniões, mas espera que as manifestações sejam pacíficas. A siderúrgica também ressaltou que as atividades da empresa são complexas, sendo que a continuidade da operação de certos equipamentos é necessária para segurança da comunidade, do meio ambiente, da usina e de seus trabalhadores.
Ministro do Trabalho recebeu comissão
(Foto: Renato Alves / Ministério do Trabalho)

“Vai fechar”
Durante reunião do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana da Baixada Santista (Condesb), formado pelos nove prefeitos da região, na última terça-feira (3) a prefeita de Cubatão, Marcia Rosa (PT), se mostrou preocupada com o futuro do município caso a Usiminas encerre suas atividades.

"Se o fechamento se concretizar, o município fecha. Nós estamos trabalhando com estimativa de arrecadação própria idêntica ao ano passado, porque não deu para aumentar, que é aproximadamente R$ 800 milhões, sendo que metade disso é para folha de pagamento. O restante você não consegue pagar. Realmente a cidade fecha. Eu acredito que é possível reverter. Sou otimista, caso contrário não estaria aqui", afirmou.

Unindo forças
Tanto os prefeitos da região, quanto os governos Federal e Estadual, demonstraram apoio à causa que pode afetar empregos em toda a Baixada Santista. Foram elaborados documentos pedindo a suspensão da decisão de encerrar os trabalhos e demitir funcionários pelo prazo de pelo menos 120 dias. A prefeita de Cubatão deve se reunir com diretores da empresa na próxima quinta-feira (12).

fonte:http://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/2015/11/grupo-protesta-na-porta-da-usiminas-contra-demissoes-em-cubatao-sp.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário